Regra para trabalho aos domingos: o que mudou

A legislação trabalhista tem como um dos objetivos proteger a saúde do empregado. E isso não foi modificado com a mudança da lei. Deste modo, a regra para trabalho aos domingos continua clara: domingo é dia de descanso. Existem exceções, como em casos previstos em Convenção Coletiva e serviços básicos, que veremos ao longo deste post.

São vários os detalhes que o Departamento Pessoal deve ficar atento para não errar na hora de fazer a folha de pagamento. Quer saber tudo sobre a regra para trabalho aos domingos? Então, continue a leitura!

Afinal, o que garante o direito à folga do trabalhador?

A lei entende que é preciso preservar a saúde física e metal dos colaboradores. Então Incentiva-os a manter uma a boa qualidade de vida. A própria Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), no seu artigo 67, deixa claro que qualquer funcionário deve ter um período de descanso semanal de 24 horas consecutivas.

Caso descumprida a lei, a empresa pode sofrer sanções jurídicas, como pagamentos decorrentes de ações trabalhistas apresentadas por ex-funcionários. Portanto, cabe ao Departamento Pessoal ficar atento a essa regra. Principalmente em relação ao trabalho aos domingos, que será abordado em seguida. Confira!

O que a lei trabalhista determina para trabalho aos domingos?

Em regra, é proibido o trabalho aos domingos e feriados (religiosos ou civis). O artigo 67 da CLT,  também diz que o período de 24 de descanso deve coincidir obrigatoriamente com o domingo.

Em caráter de exceção, estão os profissionais cujas atividades não podem cessar, como empregados da área da saúde e segurança.

As empresas, após a reforma trabalhista de 2017, podem negociar com os empregados um acordo de compensação ou fazer uso do banco de horas. Desde que seja feito no mesmo mês. Também é possível acordar a compensação ou a troca do dia do feriado por meio do acordo coletivo com o sindicato.

Abaixo, veja o que mudou em relação ao banco de horas e à jornada de trabalho:

Banco de horas

A atual lei trabalhista flexibiliza a contabilização das horas horas extras e torna mais rígida as regras para a compensação para o período de trabalho. Em alguns casos, o funcionário não pode cobrar uma remuneração adicional caso precise permanecer mais tempo no emprego: entre os casos listados pelas novas regras, estão atividades de relacionamento social, estudo e práticas ligadas à religiosidade.

Jornada 12×36

A reforma trabalhista modificou o regime de trabalho de 12×36. Antes o poder público entendia que o empregado submetido a essa jornada, que trabalhasse no feriado, deveria receber o dia trabalhado em dobro.

Hoje, a lei 13467/17 estabelece que esse direto não está mais vigente, já que os empregados folgam no dia seguinte — e dessa forma tem-se como compensado o dia trabalhado.

O empregado que deseja firmar acordo para trocar o dia da folga do feriado deve entrar em acordo diretamente com a empresa contratante. Como resultado, o calendário que valerá deverá ser negociado entre funcionários e empregadores.

Como fica a situação dos empregados que trabalham no domingo?

Para as atividades profissionais que exigem o trabalho aos domingos, a lei determina a formação de uma escala de trabalho. Deve ser feita entre os empregados, consequentemente permitindo que as atividades no domingo não sejam consecutivas.

Para casos em que o trabalho em feriados é necessário, primeiramente cabe à empresa pagar ao funcionário o salário dobrado pelo exercício da atividade. Outra opção é fazer a devida compensação para determinar outro dia de descanso.

Portanto, são assegurados aos funcionários os seguintes direitos, não cumulativos: o pagamento das horas trabalhadas em dobro ou o dia de atividade compensado como descanso em um outro momento.

Assim, cabe ao Departamento Pessoal fazer o planejamento das rotinas trabalhistas. Devem incluir a regra para trabalho aos domingos, e evitar transtornos que comprometam a boa relação entre empresa e funcionários. A consulta à legislação deve ser feita sempre que preciso, além do controle efetivo do ponto, para se prevenir de falhas que possam acarretar processos trabalhistas.

Imagem padrão
Silvana Fernandes
Gerente de RH na Pontomais